por ajcmrl

tem medo de se perder  – e não percebe que é perdida por natureza
torta das ideias, maluca da cabeça
coitada
tão apegada a quem passa pela vida que pede pra que nunca voltem
que fiquem do outro lado do mundo se necessário pra ser feliz
que vá
e que leve a saudade junto
no final das contas tudo passa
o delírio é inconstância e o adeus a gente não precisa segurar
o resto, joga-se ao vento

que diga o contrário e troque de lado no mesmo segundo
porque ter e provocar nunca foi algo a se pensar
reconhece e aceita
se morde, quebra o vaso na parede e arrebenta um souvenir
mas recusa, menina, quando não quer e não precisa

foge que é passarinha e passa da idade de ser assim
muda
transmuta
é uma quando acorda, outra quando vai dormir
de palma aberta, pra cima, em oração
o amor beija a mão
e escorre num punho fechado que grita a revolução

ela nem sabe a mania de dizer
não sabe onde cabe
às vezes nem cabe.

Anúncios